quarta-feira, 11 de junho de 2008

Organizadores e alunos fazem balanço da 18ª Semana da Imprensa

Por Renato Chagas e Josenir Nunes, 5º período de Jornalismo da FAFIC

200 anos de Imprensa brasileira, 200 anos de profissionais empenhados em prol da democracia da informação. Para celebrar essa data significativa, a Associação de Imprensa Campista - AIC promoveu, entre os dias 26 de maio a 1° de junho, a 18º Semana da Imprensa, porém, não foi muito correspondida pelos próprios profissionais da área.

“Promover a aproximação de estudantes de comunicação foi o que cumpriu a 18° Semana da Imprensa, no entanto, poucos jornalistas estiveram presentes no evento ”, declarou o presidente da Associação de Imprensa Campista- AIC, professor Orávio de Campos.

De acordo com Orávio, a imprensa campista posicionou-se indiferente quanto à divulgação do evento, pois não foram publicadas as matérias sobre a Semana, apenas “notas”, o que “mostra a falta de consciência social-política e de organização”.

Dentre as palestras do evento, as que mais se destacaram, pela lotação do auditório da Faculdade de Odontologia de Campos, onde aconteceram foram Blogues como imprensa paralela e jornalismo Campista em crise.

“A palestra do Blogues como imprensa paralela foi bem esclarecedora para todos, pois os palestrantes foram muitos felizes em suas exposições”, ressaltou Orávio de Campos.

Mesmo com o resultado negativo da Semana da Imprensa, devido à ausência dos profissionais de comunicação, o professor, vice-presidente da AIC e um dos organizadores do evento, Vitor Menezes, destacou os melhores momentos.

“Jornalismo Campista em Tempo de crise foi uma das palestras que mais obteve um maior público de estudantes de comunicação do que de jornalistas, e isso é preocupante, pois é indispensável a participação dos mesmos para somatório de reflexões do exercício da imprensa e seus reflexos na sociedade no âmbito regional”, ressaltou Menezes.

Menezes disse, ainda, que, para marcar ainda mais os 200 anos da imprensa, outros temas poderiam ter sido discutidos, como por exemplo, os 200 anos do Monitor Campista, o terceiro jornal mais velho do país.

Para o estudante Comunicação do 1° período, Gabriel Pilar, em sua avaliação, o evento foi de extrema relevância tanto para o meio acadêmico como a sociedade campista como um todo.

“A palestra de blogues como imprensa paralela foi a que mais me interessou, por ser um novo meio de comunicação, e, também porque vem sendo muito utilizado, aqui, em Campos, por profissionais e estudantes”.

Para Ciro Mariano, também estudante de comunicação, a semana da imprensa apresentou pontos positivos e negativos.

“O ponto positivo foi que o evento reuniu palestrantes que trabalham em ramos diferentes da comunicação, interagindo, assim, com diferentes ambientes da sociedade, e apresentando seus pontos de vista quanto às questões atuais e passadas. Em se tratando do ponto negativo, refiro-me aos tópicos abordados por alguns palestrantes, que se mostram inconsistentes”, disse Ciro mariano.

A AIC é uma instituição que não tem mais espaço nas relações sócio-políticas campistas. Possui poucos jornalistas associados ao órgão e tem passado por dificuldades financeiras. A 18º Semana da Imprensa é uma iniciativa dos novos gestores para a retomada desse espaço.

Um comentário:

Uma das Patetas do Brasil disse...

Gente, a AIC precisa retomar seu espaço nas relações sócio-políticas campistas.

A Imprensa deve ser semre transparente, fidedigna e chaparral..rsrsrs

Parabéns a todos...

Só umas perguntinhas (por pura curiosidade para futuros comentários):
Por que foi escolhida a "décima oitava semana" como período para o balanço? Quem escolheu? O que motivou esta escolha?